Hospital de Câncer comemora sete anos de assistência oncológica no Maranhão


“Meu tratamento não está sendo fácil, mas aqui eu tenho toda a assistência que preciso. O atendimento é muito bom, os profissionais são maravilhosos e fiz amizades incríveis”,
o depoimento é da estudante Camila Vitória, 19 anos, que está internada no Hospital de Câncer do Maranhão. A estudante da cidade de Imperatriz, atualmente, realiza acompanhamento em Oncologia Clínica e faz radioterapia e quimioterapia para tratamento de um osteossarcoma, tipo de câncer que se desenvolve nos ossos.

Referência no tratamento oncológico no estado, o Hospital de Câncer do Maranhão, que integra a rede de unidades da Secretaria de Estado da Saúde (SES), comemorou, na última quinta-feira (26), sete anos de funcionamento. A Unidade passou a atender exclusivamente pacientes oncológicos depois que o Governo entregou, em 2017, o Hospital de Traumatologia e Ortopedia (HTO). Até então, o Hospital de Câncer mantinha uma ala ortopédica na unidade.

A unidade possui 101 leitos de internação divididos entre clínica cirúrgica, oncologia clínica e cuidados paliativos, e 16 leitos de unidade intensiva. De acordo com dados do DataSUS, o hospital já realizou 265.180 consultas médicas; 96.098 consultas de equipe multidisciplinar; além de 455.947 exames e 18.485 cirurgias. Em visita ao hospital, o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, destacou a importância do equipamento para o tratamento oncológico no Maranhão.

“Esta unidade foi um grande sonho realizado, pois o Maranhão não possuía um hospital público destinado exclusivamente para o tratamento do câncer. Para que isso se tornasse realidade, nós ampliamos a rede e, sobretudo, estruturamos o Hospital de Câncer do Maranhão. A expansão dos serviços executados na unidade amplia cada vez mais o alcance do tratamento oncológico”, avaliou o secretário Carlos Lula.
 
Toque do Sino da Vitória (Foto: Márcio Sampaio)

O Hospital de Câncer do Maranhão realiza atendimentos de Oncologia Clínica e Cirúrgica e conta com serviço de apoio diagnóstico e terapia, com exames laboratoriais, patologia clínica, PET-CT e ressonância magnética, além dos serviços próprios da unidade, como radiologia, tomografia, ultrassonografia, mamografia, endoscopia e colonoscopia.

Recentemente, a unidade disponibilizou para a população o acesso à marcação de consultas especializadas ofertadas na unidade através do WhatsApp 98 8405-8751, tornando o processo mais célere.

Acolhimento

“Aqui, nós apresentamos um trabalho diferenciado na humanização com vários projetos em ação, tanto para os pacientes quanto para os profissionais, que necessitam de um acolhimento diferenciado. Temos o mesmo trabalho da equipe multiprofissional na Casa de Apoio”, explica a diretora da unidade, Ana Carolina Marques.

Entre os projetos de humanização estão o Cinema nas Enfermarias, que acontece semanalmente com rodízio das clínicas e também os trabalhos de pintura em tela e artesanatos.
 
A unidade possui ainda uma Casa de Apoio, estrutura de suporte a pacientes e acompanhantes que estão em tratamento no hospital. Com 3 anos e 8 meses de funcionamento, a casa, que fica localizada nas proximidades do Hospital de Câncer, tem capacidade para acolher até 26 pacientes e seu respectivo acompanhante, por um período de até 15 dias de estadia. Atualmente, 12 pacientes de outras cidades e seus acompanhantes ocupam o espaço.

Sino da Vitória

A unidade já possui o Sino da Cura, tocado pelos pacientes que vencem a doença. Em comemoração aos sete anos de funcionamento, foi inaugurado na unidade o Sino da Vitória, que será tocado a cada etapa do tratamento concluída pelo paciente.

O aposentado Wudner da Silva Castro, 67 anos, é morador da cidade de São José de Ribamar e foi um dos primeiros pacientes a tocar o Sino da Vitória. Ele conta que estava internado na unidade por conta de uma pneumonia em decorrência do Câncer de Pulmão. “Estou voltando para casa feliz, pois cada etapa do tratamento vencida é uma vitória. Já realizei meu tratamento nesta unidade há três anos e só posso dizer que sempre sou atendido da melhor forma possível”, relata o aposentado Wudner da Silva.


Comentários