Após um dia de negociações, rodoviários recusam propostas e greve continua em São Luís

Greve dos rodoviários chega ao terceiro dia na Região Metropolitana de São Luís — Foto: Paulo Soares/Grupo Mirante.

Após um dia de negociações e reuniões, não houve acordo e a greve dos rodoviários deve continuar e chegar ao 6º dia em São Luís, segundo o sindicato da categoria.

Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Maranhão (Sttrema), Marcelo Brito, houve uma proposta de reajuste salarial em 2%, o que foi rejeitado. A categoria quer um reajuste de 13%.

Além do reajuste no salário, o sindicato reivindica uma jornada de trabalho de seis horas, tíquete de alimentação no valor de R$ 800, manutenção do plano de saúde e a inclusão de um dependente e a concessão do auxílio-creche, para trabalhadores com filhos pequenos.

Rodoviários se reúnem em frente à sede da Prefeitura de São Luís — Foto: Matheus Soares/Grupo Mirante

Pela manhã, rodoviários estiveram em frente ao no Palácio da La Ravardière, sede da Prefeitura da capital maranhense.

A assembleia da categoria aconteceu após o atual prefeito da capital, Eduardo Braide (Podemos), anunciar uma reunião para tentar por fim à greve dos rodoviários.

Um dos pontos da reunião no Palácio da La Ravardière foi a proposta de um auxílio emergencial para o setor. O cartão cidadão iria garantir passagem gratuita para pessoas que perderam o emprego durante a pandemia da Covid-19, além de contribuir para o sistema de transporte público, com injeção de recursos. O auxílio substituiria o reajuste da tarifa de ônibus em São Luís e, com o recurso, seria possível retornar com as atividades na capital.

Greve dos Rodoviários

Ônibus permanecem parados nas garagens da cidade. — Foto: Adriano Soares/ Grupo Mirante

Os rodoviários do transporte coletivo seguem para o quinto dia de greve na Grande São Luís nesta segunda-feira (25), após terminar sem acordo as duas audiências de conciliação, realizadas no último sábado (23).

A paralisação dos rodoviários teve início na madrugada da última quinta-feira (21), com 100% da frota de ônibus sem circular na Grande São Luís. A categoria afirma que os donos das empresas não cumprem com uma Convenção Coletiva de Trabalho, que prevê uma série de direitos aos motoristas, por parte das empresas de transporte.





Fonte: G1 MA

Comentários