Aprovada lei que proíbe motoristas de acumularem a função de cobrador em São Luís

 


Trabalhadores rodoviários e representantes sindicais estiveram na Câmara de São Luís na manhã desta segunda-feira (21), para se pronunciarem sobre a paralisação do transporte público na cidade.

Na ocasião, os rodoviários conseguiram que a Lei n.º 6.801/2020, que proíbe motoristas de acumularem a função de cobrador no transporte coletivo da capital maranhense, fosse aprovada.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Maranhão (STTREMA), Marcelo Brito, lamentou a decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) que determinou a prisão de 15 membros do sindicato, no último fim de semana.

“Estamos na luta, querendo buscar mais direitos para os trabalhadores que estão dia e noite nas ruas, transportando a população, expostos a perigos. Não estamos reivindicando nada que não seja nosso direito. Nosso trabalho é pelos trabalhadores, não vamos descansar enquanto não resolvermos esse problema”, disse.

Apesar de terem disponibilizado 80% da frota para circulação em São Luís, por cumprimento de liminar, os trabalhadores rodoviários permanecem em estado de greve.

Pedido de reajuste

A Justiça do Maranhão negou, na última sexta-feira (18), os pedidos protocolados pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (SET) solicitando que a Prefeitura de São Luís concedesse reajuste à tarifa do transporte público.

A decisão também negou o pedido, feito pelo SET, de que o Município de São Luís apresentasse documentos que comprovem o valor do combustível e do custo de mão de obra, incluindo custos com plano de saúde e demais encargos previstos na Convenção Coletiva de Trabalho.

Ainda na sexta-feira, os rodoviários fizeram uma manifestação em frente ao Palácio de La Ravardière, sede da Prefeitura de São Luís. Com cartazes e palavras de ordem, eles pediam um posicionamento do prefeito Eduardo Braide (Podemos) em relação às reivindicações da categoria.


Central de Notícias

Comentários