OMS diz que aconselhou Ucrânia a destruir patógenos em laboratórios de saúde para evitar propagação de doenças

The headquarters of the World Health Organization (WHO) is pictured in Geneva, Switzerland, March 22, 2016. (Foto: REUTERS/Denis Balibouse)


Reuters - A Organização Mundial da Saúde aconselhou a Ucrânia a destruir patógenos de alta ameaça alojados nos laboratórios de saúde pública do país para evitar "qualquer possível derramamento" que possa espalhar doenças entre a população.

Especialistas em biossegurança dizem que o movimento de tropas russas na Ucrânia e o bombardeio de suas cidades aumentaram o risco de fuga de patógenos causadores de doenças, caso alguma dessas instalações seja danificada.

Como muitos outros países, a Ucrânia tem laboratórios de saúde pública pesquisando como mitigar as ameaças de doenças perigosas que afetam animais e humanos, incluindo, mais recentemente, o coronavírus que causou a epidemia da Covid-19. Seus laboratórios receberam apoio dos Estados Unidos, da União Europeia e da OMS.

Em resposta a perguntas da Reuters sobre seu trabalho com a Ucrânia antes e durante a invasão da Rússia, a OMS disse em um e-mail que tem colaborado com laboratórios de saúde pública ucranianos há vários anos para promover práticas de segurança que ajudam a prevenir "liberação acidental ou deliberada de patógenos".

"Como parte deste trabalho, a OMS recomendou fortemente ao Ministério da Saúde da Ucrânia e outros órgãos responsáveis ​​que destruam patógenos de alta ameaça para evitar possíveis derramamentos", disse a OMS, uma agência das Nações Unidas.

A OMS não disse quando fez a recomendação nem forneceu detalhes sobre os tipos de patógenos ou toxinas alojados nos laboratórios da Ucrânia. A agência também não respondeu a perguntas sobre se suas recomendações foram seguidas.

Autoridades ucranianas em Kiev e em sua embaixada em Washington não responderam aos pedidos de comentários.

As capacidades laboratoriais da Ucrânia estão no centro de uma crescente guerra de informações desde que a Rússia começou a mover tropas para a Ucrânia há duas semanas.

Na quarta-feira, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, repetiu uma afirmação de longa data de que os Estados Unidos operam um laboratório de guerra biológica na Ucrânia, uma acusação que foi repetidamente negada por Washington e Kiev.

Zakharova disse que documentos desenterrados por forças russas na Ucrânia mostraram "uma tentativa de emergência de apagar evidências de programas biológicos militares" destruindo amostras de laboratório.

A Reuters não conseguiu confirmar suas informações de forma independente.

Em resposta, um porta-voz presidencial ucraniano disse: "A Ucrânia nega estritamente qualquer alegação desse tipo". Porta-vozes do governo também negaram veementemente as acusações de Zakharova, dizendo que a Rússia pode usar suas alegações como pretexto para implantar suas próprias armas químicas ou biológicas.

A declaração da OMS não fez referência à guerra biológica. A agência disse que incentiva todas as partes a cooperar na "eliminação segura de quaisquer patógenos que encontrarem e a procurar assistência técnica conforme necessário". Ofereceu-se para ajudar sempre que possível com orientação técnica e coordenação.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas se reunirá nesta sexta-feira (11), a pedido da Rússia, disseram diplomatas, para discutir as alegações de Moscou, apresentadas sem provas, sobre os EUA. atividades biológicas na Ucrânia.

Comentários